Arquivo da tag: Revista 100.9

Estação das Queimadas

Como em todo ano, os incêndios florestais já começaram a aumentar no DF. Falta consciência e conhecimento das pessoas. De janeiro a julho deste ano, já foram registradas mais de mil ocorrências de fogo no mato, pelo Corpo de Bombeiros do Distrito Federal.  O período de maio a julho representa 83% do número de ocorrências do ano inteiro!

O Professor Bernardo, que é nosso consultor e professor do curso de gestão ambiental da Faculdade Unicesp, explica quais as maiores razões para tanto fogo.

No início de maio as temperaturas começam a baixar e as chuvas começam a ficar mais escassas. Em Brasília não chove há mais de 45 dias, o que é comum nessa região, mas o pior pode estar por vir, no mês de agosto.  É importante lembrar que Brasília tem a seca como característica climática.

Principais causas dos incêndios nessa época:

A maior parte dos incêndios é mesmo causada pela ação do homem. São diversos os motivos, pode ser uma fogueira, a queima do lixo, bitucas de cigarro jogadas nas estradas ou as famosas e errôneas limpezas de terreno. Vale destacar que o incêndio por ação natural é muito raro.

O que deve ser feito para que diminuir o número de queimadas:

A população pode ajudar a evitar as queimadas com simples ações. Evitar jogar cigarro pela janela do carro, apagar as chamas das fogueiras e certificar-se de que as brasas também estão apagadas. E mais importante, no caso de limpeza de terrenos, o interessado deve pedir uma autorização para o IBAMA, adotar todos os procedimentos legais e informar ao corpo de bombeiros dia, hora e local da queimada.

É importante lembrar que queimar lixo é crime ambiental, previsto na Lei Distrital nº 4.329. A pena aos infratores é de dois a quatro anos de prisão e multa. Se o crime é culposo, ou seja, sem intenção de causar o dano, a pena é de detenção de seis meses a um ano e multa.

Maiores danos para o meio ambiente e para as pessoas:

O aumento na quantidade de crianças e idosos – os que mais sofrem – nos hospitais por causa dos inúmeros problemas respiratórios que se agravam na seca e pioram com a fumaça e a fuligem das queimadas, que, inclusive, piora a qualidade do ar. A vegetação é destruída e deixa de cumprir a função de proteger as nascentes, prejudicando a qualidade e até escasseando o volume de água potável. Os nutrientes do solo também vão embora e atrapalham a fertilidade daquele solo.

Então, pessoal, vocês viram então que o melhor mesmo é não fazer fogo em hipótese alguma, mas se for inevitável, tomar todos os cuidados, inclusive com autorização dos órgãos competentes. O melhor mesmo para os restos vegetais, folhas secas, por exemplo, é processar e transformar em adubo orgânico. Assim todo mundo tem a ganhar, inclusive o meio ambiente!

Este é o período do ano que o Corpo de Bombeiros mais trabalha. Por conta do grande número de ocorrências de queimadas, o Batalhão de Combate ao Incêndio Florestal atua diariamente com um contingente de 100 militares e conta com reforços quando a situação é mais crítica.

A legislação:

A Lei nº 4.329, sancionada pelo governador afastado José Roberto Arruda em junho de 2009, proíbe a queima de restos vegetais e lixo no DF. A proibição, no entanto, não inclui fornos e incineradores regularizados. A lei também define que a utilização de fogo como prática agrícola nas áreas rurais fica condicionada à recomendação técnica e aos termos da lei. O texto sugere ainda que os restos vegetais devem ser processados e transformados em adubo orgânico.

(Flávia Gomes)

Anúncios

Brasília e os próximos 50 anos

Olá leitores do Verde Capital! Essa semana estamos em festa. É aniversário de Brasília, nossa bela cidade. Devemos ficar felizes e comemorar, sim, nossos 50 anos, mas não podemos deixar de pensar nos próximos 50, 100 anos.

Ouça aqui a matéria que foi ao ar na Rádio Cultura FM 100,9 no dia 23/04/2010.

Se o crescimento urbano continuar desordenado, a contaminação dos solos, da água e do ar, além do desaparecimento progressivo do cerrado são uma certeza, infelizmente. Vastas áreas desse bioma são desmatadas constantemente, não apenas para a expansão urbana mas também para a rural.

A qualidade do ar em Brasília piora e, ano a ano, o clima parece mais quente e seco. O número de carros nas ruas ajuda a agravar a poluição e a indústria automobilística planeja o aumento da produção para atender a uma demanda crescente. Será que o meio ambiente aguenta?

Algumas soluções adotadas pelo GDF

O Grupo de Análise e Aprovação de Parcelamento do Solo e Projetos Habitacionais (Grupar) foi criado, em 2008, para acelerar a legalização de condomínios. Também a agricultura e a pastagem substituíram boa parte da vegetação nativa. Para reverter o quadro, o governo do DF pretende investir na educação ambiental e desencorajar o crédito financeiro para práticas não sustentáveis. Um exemplo é a soja. O mercado internacional se recusa a comprá-la quando vem de áreas devastadas. Em breve, espera-se, o mesmo acontecerá por aqui. Evoluímos pouco como consumidores e ainda compramos itens de áreas desmatadas. Nunca é demais lembrar que o futuro sustentável só ocorrerá com a soma de mudanças praticadas no dia a dia.

E você sabe quais os maiores problemas em relação ao meio ambiente em Brasília?

Em relação aos recursos hídricos, o maior problema foi detectado por estudos da Universidade de Brasília que indicam que cerca de 20% das sete bacias da região estão comprometidas. Uma projeção feita pela Secretaria de Urbanização e Meio Ambiente (Seduma) afirma que os recursos hídricos só duram até 2025.

Causas

A contaminação de solos e águas, escoamento irregular de esgoto, impermeabilização do solo e a ocupação indevida de mananciais. O projeto Adote uma Nascente, do Ibram, é um projeto que estimula a população a cuidar do entorno das nascentes e convida a iniciativa privada a conservar áreas.

E o projeto mais polêmico é o que pretende utilizar as águas do lago Paranoá para o abastecimento, já que a bacia de São Bartolomeu não poderá servir a esse fim.

Poluição por garrafas Pet no parque Prainha - Gama/DF

E em relação à terra, 48% do bioma já foi devastado, sendo que 73% da vegetação original de cerrado no DF não existe mais. Tudo isso causado pela urbanização crescente sem planejamento e o desmatamento de áreas verdes para uso indevido do solo (pastagem, plantio e construção de residências).

Investimentos em pesquisas sobre a fauna e a flora do cerrado já estão sendo feitos. Dos 11% do bioma no Distrito Federal, apenas 4% estão em área governamental fiscalizada, o restante encontra-se em reservas particulares e é feito um pacto com o proprietário para a redução na exploração da fauna e da flora, que, infelizmente, nem sempre funcionam. O ministro do Meio Ambiente elegeu o cerrado como meta principal de proteção para 2010. Vamos ver se acontece!

E em relação ao ar, o maior problema é a emissão de CO2. A qualidade do ar atinge índices inadequados onde há maior concentração de tráfego, como próximo à rodoviária e nos centros das cidades-satélites. As causas são o aumento da frota de carros e as queimadas no cerrado.

Já foi feita a renovação da frota de ônibus, que passou a emitir menos CO2, a construção de 44 km de ciclovias e a fiscalização de áreas rurais para reduzir queimadas.

E o compromisso de Brasília é reduzir em 40% a emissão de CO2 no ar até 2020. Algumas medidas: implantação do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) até o final de 2010 e VLP (Veículo Leve sobre Pneus), ainda sem data prevista. Ambos utilizam energia limpa e devem reduzir a frota de carros em 30% e retirar 700 ônibus de circulação.

Bom, o Cultura Ambiental e o Verde Capital desejam que Brasília e os brasilienses possam ter os próximos 50 anos com mais consciência e saibam preservar mais o meio ambiente. Até a próxima semana.

(Fonte: http://casa.abril.com.br/brasilia/urbanismo/alerta-verde.shtml)

Dia do Solo – 15 de abril

Caro leitor, quanto tempo você acha que o solo leva para se formar? Acredite, mas para cada 30 cm, o solo pode levar cerca de três mil anos ou até mais! Claro que isso depende dos fatores de formação de cada solo. Mas o recado é claro: não podemos acabar com este recurso natural.

Ouça aqui a matéria que foi ao ar na rádio cultura no dia 16/04/2010.

No dia 15 de Abril comemoramos o Dia da Conservação do Solo. Essa data foi instituída em homenagem ao nascimento do americano Hugh Hammond Bennett, considerado o pai da conservação do solos nos Estados Unidos, e o primeiro responsável pelo Serviço de Conservação de Solos daquele país. Sua experiência no estudo de solos e agricultura, nacional e internacionalmente, fez dele um conservacionista dedicado que conquistou muito para a causa mundial da conservação.

O solo, que também chamamos de terra, tem grande importância na vida de todos os seres vivos do nosso planeta. É do solo que retiramos parte dos nossos alimentos, ele atua como suporte à água e ao ar e sobre ele construímos as nossas moradias.

O professor Bernardo Verano, coordenador de gestão ambiental do Unicesp, explica como é formado o solo.

“O solo é formado a partir da rocha (material duro que também conhecemos como pedra), através da participação dos elementos do clima (chuva, gelo, vento e temperatura), que com o tempo e a ajuda dos organismos vivos (fungos, liquens e outros) vão transformando as rochas, diminuindo o seu tamanho, até que viram um material mais ou menos solto e macio, também chamado de parte mineral.

Logo que a rocha é alterada e é formado o material mais ou menos solto e macio, os seres vivos animais e vegetais (como insetos, minhocas, plantas e muitos outros, assim como o próprio homem) passam a ajudar no desenvolvimento do solo.

Eles atuam misturando a matéria orgânica (restos de vegetais e de animais mortos) com o material solto e macio em que se transformou a rocha. Esta mistura faz com que o material que veio do desgaste das rochas forneça alimentos a todas as plantas que vivem no nosso planeta. Além disso, os seres vivos quando morrem também vão sendo misturados com o material macio e solto, formando o verdadeiro solo.

O solo é estudado nas pesquisas dividindo a parte mineral em três frações principais, de acordo com o seu tamanho: areia (a parte mais grosseira); silte (uma parte um pouco mais fina, ou seja o limo que faz escorregar) e argila (uma parte muito pequena que para ser visualizada necessita de microscópios muito possantes, ou seja, a mesma que gruda no sapato). Assim como o nosso corpo, o solo também tem uma organização. Como num bolo de aniversário que tem várias camadas, o solo também tem as suas camadas que são chamadas de horizontes do solo.

As grandes diferenças na vegetação e nas plantações são em grande parte decorrentes dos diversos tipos de solos que ocorrem na natureza. Essa diversidade de solos reflete as variações dos fatores de formação que ocorrem na natureza. Esses solos se apresentam com diferentes cores: amarela, vermelha, marrom, preta, cinza, azulada, esverdeada e branca. Além de possuir cor diferente, um determinado horizonte pode ser mais duro que outro, filtrar a água mais rápido e/ou deixar que as raízes cresçam mais depressa ou menos.

Um solo se degrada quando são modificadas as suas características físicas, químicas e biológicas. O desgaste pode ser provocado por esgotamento, erosão, salinização, compactação e desertificação.

A utilização dos solos para o fornecimento de produtos agrícolas, por exemplo, não pode ser do mesmo tipo para todas as regiões brasileiras. Para cada uma, há um conjunto de fatores que devem ser devidamente analisados, para que os terrenos proporcionem uma maior produtividade.

A expansão das culturas de subsistência e a criação de animais para utilização pelos homens, os cultivos da cana-de-açúcar e do café e, mais recentemente, a da soja, têm sido realizados com rotinas inadequadas (isso desde a descoberta do Brasil pelos europeus), resultando em agressões aos elementos naturais, especialmente, ao solo e à água. Sempre tivemos uma rotina de “rotação de terras”, sem a preocupação de qualquer programação para restaurar os solos e as florestas que foram esgotados.

 Por falta de conhecimento, não só muitos agricultores e pecuaristas estão degradando intensamente os nossos recursos naturais, mas também madeireiros, garimpeiros e carvoeiros.

Quem mais utiliza tem ainda pouca consciência de que o solo, a água e as florestas são recursos naturais finitos e que, após a sua degradação, a recuperação pode ser irreversível. É fundamental a disseminação da idéia de que “é mais econômico manter do que recuperar recursos naturais”.

Derrubada a vegetação e queimados os restos, os terrenos ficam sujeitos à ação direta da água da chuva, que provoca a erosão hídrica do solo, carregando os seus nutrientes. Em poucos anos, a terra torna-se empobrecida, diminuindo a produção agrícola e dos pastos. Agricultores e pecuaristas acabam deslocando-se para outras zonas, deixando para trás as áreas degradadas.

 Outro problema sério é a ação da água da chuva sobre os terrenos. Todo mundo está acompanhando a tragédia no Rio de Janeiro, causada por essa degradação.

O que acontece é que, nesses casos, as terras transportadas dos terrenos pela enxurrada são, em grande quantidade, depositadas nos cursos d’água, reduzindo a capacidade de armazenamento da água da chuva, o que ocasiona inundações, com graves conseqüências socioeconômicas. Ali, o problema foi muito pior, já que o bairro foi erguido em cima de um antigo lixão. Os prejuízos para o homem e o meio ambiente são incalculáveis, além das muitas vidas perdidas.

O total de terras arrastadas pelas enxurradas é calculado em torno de 2 a 2,5 bilhões de toneladas, anualmente. Há prejuízos diretos e indiretos; há efeitos agora e haverá no futuro.

Por isso é mais do que importante cuidar bem do lixo que produzimos, descartá-lo de forma correta, NUNCA jogar lixo na rua, cobrar do poder público medidas eficientes de descarte de lixo, de manutenção das águas e participar sempre de boas ações ambientais!

(Fonte: IBGE)

Março: mês das águas e das mulheres

Olá ouvinte do Cultura Ambiental e leitor do Verde Capital! Este mês temos duas comemorações importantes: o Dia Internacional Da Mulher, 8 de março, e o Dia Mundial Da Água, em 22 de março.

Dizem que a água e a mulher têm natureza parecida, já que são uma expressão das emoções. Uma hora mansas e ternas, outra, furiosas e ameaçadoras… Também são fonte de vida e nascimento. Água e mulher tem sofrido nos últimos séculos. Poluição, rios mutilados no seu curso, mangues soterrados, matas ciliares dizimadas, plásticos, sofás velhos, tintas e resíduos químicos para uma. Desrespeito; falta de liberdade; salários mais baixos; dupla jornada de trabalho, para outra. As agressões à natureza caminharam de mãos dadas com as agressões ao princípio feminino neste planeta.

O cultura ambiental quer, juntamente com você, ouvinte, celebrar neste mês as águas e as mulheres. Somente intensificando nossa gentileza e cuidado com elas é que vamos construir a vida que queremos. Parabéns às mulheres de fibra e garra que batalham pelos seus direitos!

Em relação à água, às vésperas de completar 50 anos, brasília, que tem um lago artificialmente construído, já enfrenta problemas nessa área. O professor Bernardo Verano, coordenador do curso de Gestão Ambiental do Unicesp, falou um pouquinho sobre o assunto.

Professor Bernardo Verano: “O que vemos agora, 51 anos após sua formação, é que o lago Paranoá apresenta uma diversidade de problemas que têm reflexo direto na sua sustentabilidade e na qualidade de vida da população do distrito federal. A intensificação na ocupação demográfica nas bacias dos rios Paranoá, descoberto e São Bartolomeu, os desmatamentos constantes e a ocupação urbana desordenada de áreas sensíveis à erosão têm contribuído para a degradação do lago. Na semana que vem vamos falar um pouco mais sobre esse assunto.”

O cultura ambiental conversou com Alex Gonçalves dos Santos, que é diretor presidente da OSCIP Movimento de Cidadania Pelas Águas, responsável pela organização do seminário Água e Cidadania – Visões Múltiplas para um recurso de usos múltiplos que acontecerá entre os dias 22 e 24 de março na Universidade dos Correios, próxima à UnB.

Confira a entrevista!

O Cultura Ambiental e as Faculdades Integradas Unicesp/Soebras apoiam totalmente esse evento importante para o calendário de Brasília. É um dever de cada um de nós proteger e cuidar da nossa água, um bem cada vez mais escasso no planeta.

Informações sobre o Seminário Água e Cidadania

Considerando o possível cenário de escassez de água, decorrente do uso intensivo e de degradação dos recursos hídricos, e os conseqüentes conflitos de uso das águas do Lago Paranoá, o Governo do Distrito Federal realizará o Seminário “Água e Cidadania” como parte da Programação da Semana da Água de 2010.

O Seminário será realizado por intermédio do Instituto Brasília Ambiental – IBRAM e a Agência Reguladora de Água, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal – ADASA , em parceria com a Oscip Movimento de Cidadania pelas Águas e das Instituições que compõem o Centro de Estudo Transdisciplinar da Água / CET – Água e tem por objetivo principal promover a integração entre os diferentes atores presentes na bacia visando a melhoria do quadro atual, por intermédio do IBRAM em parceria com a Oscip Movimento de Cidadania pelas Águas e das Instituições que compõem o Centro de Estudo Transdisciplinar da Água / CET-Água.

O evento proposto contribuirá para consolidar um espaço próprio de debate e de desenvolvimento de estratégias para recuperação e preservação das águas da bacia, tendo como princípio básico os usos múltiplos do Lago Paranoá. Simultaneamente ao Seminário ocorrerá a solenidade de posse das Diretorias dos Comitês da Bacia Hidrográfica do Rio Paranoá, dos afluentes do Rio Preto e dos afluentes do rio Maranhão, que se constitui em grande oportunidade de mobilização social para gestão adequada dos mananciais.

(Fonte: Banco do Planeta, Movimento de Cidadania pelas Águas)

Atendimento e projetos para 2010 – Caesb

Olá leitores do Verde Capital e ouvintes do Cultura Ambiental. Você se preocupa com a qualidade da água que consome? Aqui em Brasília, a Caesb – Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal – atende atualmente quase 2,5 milhões de pessoas com serviços de abastecimento de água e de esgotamento sanitário.

Nos dois últimos programas do mês de fevereiro conversamos com a ouvidora da Caesb, Eliane Costa, sobre as conquistas de 2009 e os projetos para 2010, além de outros assuntos importantes relacionados à água que você utiliza na sua residência.

Ouça aqui.

A qualidade da água que você consome no Distrito Federal é uma das melhores do país. O maior sistema de abastecimento de água da Caesb é o do Rio Descoberto, que atende cerca de 65% da população do DF. A empresa analisa amostras semanais e vários pontos da rede de distribuição, além de fazer análises horárias nas suas unidades de tratamento de água. Entre os projetos para 2010 da Caesb estão a ampliação da capacidade de atendimento e novos processos para dar voz ao cidadão. 

Em caso de dúvidas sobre conta, reclamações, sugestões ou informações, entre em contato pela Central 115, que funciona 24 horas, ganhou reforços no mês de janeiro e melhorou o atendimento. Outras opções são o site www.caesb.df.gov.br e a ouvidoria: 3329-9090.

Um grande abraço e não percam o programa dessa semana. Entramos em um mês muito especial, onde comemoramos as mulheres e as águas. Você vê alguma semelhança entre elas? Mande sua opinião para a gente aqui no blog.

Pessoal, fiquem atentos à Dengue! O Distrito Federal está com muitos casos da doença e é muito importante a sua participação para erradicar de vez o mosquito causador da doença.

Dicas:

Vasos de plantas devem ser lavados e escovados. Encha os pratinhos com areia.

As latas de lixo devem estar tampadas. Não deixe entulhos e restos de obra acumulados. 

Tampe vasos sanitários menos utilizados e use água sanitária com freqüência. 

Se você tem bichinhos de estimaçao em casa, lembre de limpar e trocar a água dos bebedouros diariamente. 

E lembre-se, para a dengue não existe tratamento específico. Assim que algum sintoma for detectado, procure imediatamente o serviço de saúde.

(Flávia Gomes)

Próximo Programa: Aquecimento global + COP15 + Dicas

Escute o Cultura Ambiental na Rádio Cultura FM (100,9), todas as sextas-feiras, dentro do programa Revista 100,9, a partir das 17h (pela rádio ou pela internet no Movimento Calango). Ou ouça pelo Stickam.

Na próxima sexta (11/12), Flávia Gomes, Claudivan Santiago e Bernardo Verano falam, no Cultura Ambiental, sobre o aquecimento global, COP-15 e trazem dicas simples para você fazer a sua parte e contribuir com o meio ambiente.

Em meio à reunião mais importante sobre meio ambiente, quando as atenções do mundo estão voltadas para Copenhague, na Dinamarca, onde líderes mundiais discutem o novo acordo climático que vai substituir o protocolo de Kyoto, o Cultura Ambiental traz informações importantes sobre a atenção que o brasileiro dá ao aquecimento global e dicas simples para você fazer a sua parte nessa luta a favor da vida no planeta.

Dicas de Etiqueta Ambiental

Escute o Cultura Ambiental na Rádio Cultura FM (100,9), todas as sextas-feiras, dentro do programa Revista 100,9, a partir das 17h (pela rádio ou pela internet no Movimento Calango). Hoje, o Cultura Ambiental traz dicas de etiqueta sustentável.

Pequenos gestos podem conduzir a grandes mudanças se forem adotados por todos nós. Os jornalistas Flávia Gomes e  Claudivan Santiago, juntamente com o consultor ambiental Bernardo Verano, trouxeram para o ouvinte da rádio, dicas e informações que podem ser aplicadas no dia-a-dia, em sua própria casa, no trabalho, circulando pelas ruas e em sua vida pessoal.

(Fonte: Planeta sustentável)

O que você precisa saber para fazer um planeta melhor? Entenda porque é tão importante reduzir o consumo de três itens imprescindíveis nos dias de hoje: água, energia elétrica e combustíveis

Água – Ela até cai do céu, mas é um recurso esgotável e raro em muitos lugares do mundo. Se, em apenas cinco minutos, você escovar os dentes com a torneira escancarada, 12 litros de água potável serão desperdiçados.

Energia elétrica – O consumo cada vez maior requer a construção de mais usinas hidrelétricas e mais florestas vão desaparecer para dar lugar a elas. O simples gesto de desligar as luzes dos ambientes, quando estiverem vazios, pode ajudar a evitar isso.

Combustíveis – A queima dos fósseis, como o diesel e a gasolina, é a maior responsável pela emissão de gases do aquecimento global. Segundo o urbanista e ex-prefeito de Curitiba Jaime Lerner, “nas grandes cidades são produzidos 75% de todo o CO2 jogado na atmosfera”. Pense nisso antes de entrar no carro só para ir à padaria da esquina.

NO TRABALHO

Faça seu dinheiro trabalhar a favor de causas nobres. Diga ao gerente do banco que você quer aplicar em investimentos socialmente responsáveis, os ISRs. Dessa forma, seus lucros virão de empresas que respeitam práticas ambientais e trabalhistas.

Exerça a cidadania. A internet e o telefone são bons canais de comunicação com representantes de sua cidade, seu estado ou país. Mobilize-se e certifique-se de que seus interesses e os da comunidade sejam atendidos.

Fuja da alienação e influencie pessoas. Estar sempre bem informado também é um bom exemplo de atitude cidadã. Procure ler mais para ficar atualizado nos assuntos de interesse geral como política, economia, meio ambiente .e sustentabilidade.

Desabilite seu screen saver cheio de efeitos especiais. O monitor ligado, mesmo com aquele descanso de tela bacana, é responsável por até 80% do consumo do computador. Configure sua máquina para o modo de economia de energia. Assim, ele vai desligar automaticamente toda vez que você se ausentar.

EM CASA

Os aparelhos que ficam dia e noite em modo stand by são mais uma nova invenção em nome do conforto. Só esqueceram de dizer que isso consome energia sem necessidade. Puxe a tomada de todos eles quando não estiverem em uso e tenha certeza: o valor de sua conta de luz vai cair bastante.

Na hora de comprar eletrodomésticos, escolha os mais eficientes. É possível reconhecê-los pelo selo do Procel (nas marcas nacionais) ou Energy Star (nos importados). Detalhe: isso não custa nada.

Viva seu dia com luz natural. Abra janelas, cortinas, persianas, deixe o sol entrar e iluminar sua casa em vez de acender lâmpadas. Além de fazer muito bem ao seu humor, você também vai economizar dinheiro no fim do mês.

Mude sua geladeira e seu freezer de lugar. Ao colocá-los próximos do fogão e de áreas onde bate sol, eles utilizam muito mais energia para compensar o ganho de temperatura. Aproveite para avaliar com seus botões: será que você precisa mesmo de um freezer?

NA RUA

Compartilhe seu carro. “Pratique a carona solidária e diminua a emissão de poluentes, levando pessoas que fariam o mesmo trajeto separadamente”, recomenda o ambientalista Fábio Feldmann. Você vai se tornar o cara mais simpático da cidade.

Carro requer manutenção, não tem jeito. Faça uma regulagem periódica, sempre que possível. Troque o óleo nos prazos indicados pelo fabricante, verifique filtros de óleo e de ar. Todas essas medidas economizam combustível e ajudam a despejar menos CO2 no ar.

Que tal lavar o carro a seco? Existem diversas opções de lavagem sem água, algumas até mais baratas do que a tradicional, que consome centenas de litros do precioso líquido. Pense também em lavar menos seu carro.

 Tem atitude mais grosseira que atirar lata ou outros dejetos pela janela do carro? O castigo para essa gafe é garantido: os resíduos despejados na rua são arrastados pela chuva, entopem bueiros, chegam aos rios e represas, causam enchentes e prejudicam a qualidade da água que consumimos.

Para conhecer mais dicas da Etiqueta Sustentável, clique aqui e veja o manual completo.

 

Série “Saneamento Básico” – Lixo

Hoje, último programa da série sobre “Saneamento Básico” – Tema: lixo. Não perca, hoje, na rádio Cultura FM (100,9), às 17h, o quadro Cultura Ambiental.

Mostra Nacional Ambiental – Caminhos da Sustentabilidade
Entre os dias 3 e 7 de novembro, acontece na sede do Ibama, em Brasília, a I Mostra Nacional Ambiental “Caminhos da Sustentabilidade”. Estão previstas várias atrações para divertir, informar e educar o público participante. 

A programação será variada, com espaços temáticos, esportes, oficinas e jogos, filmes ambientais, além da apresentação de bandas locais e nacionais, além de trabalhos realizados por entidades públicas e provadas voltados para o desenvolvimento sustentável do país. 

A mostra também faz parte da comemoração dos 20 anos de criação do Ibama. Logo na entrada, o público poderá ver uma tora de castanheira derrubada ilegalmente no Mato Grosso e apreendida pelo órgão. 

A peça pesa cerca de 15 toneladas, tem quase sete metros de comprimento e dois metros de espessura. Segundo estimativa dos técnicos do Serviço Florestal Brasileiro que mediram a tora, a castanheira original tinha cerca de 40 metros de altura e mais de 250 anos.

 Você ainda tem hoje e amanhã para conferir o evento.

Veja a programação aqui.

Saneamento Básico

O que é saneamento Básico?

Um conjunto de procedimentos adotados numa determinada região com o objetivo de proporcionar uma situação higiênica saudável para seus habitantes.

Entre os procedimentos do saneamento básico, podemos citar: tratamento de água, canalização e tratamento de esgotos, limpeza pública de ruas e avenidas, coleta e tratamento de resíduos orgânicos (em aterros sanitários regularizados) e materias (através da reciclagem). Com estas medidas de saneamento básico, é possível garantir melhores condições de saúde para as pessoas, evitando a contaminação e proliferação de doenças, ao mesmo tempo que se garante a preservação do meio ambiente.

A saúde está diretamente ligada ao saneamento. A falta de saneamento tem conseqüências muito graves para a qualidade de vida da população, principalmente aquela mais pobre, residente na periferia das grandes cidades ou nas pequenas e médias cidades do interior. Da população diretamente afetada, as crianças são as que mais sofrem.

Veja os números. Os dados são antigos, mas o problema é sempre atual…

– 65% das internações hospitalares de crianças menores de 10 anos estão associadas à falta de saneamento básico;

– a falta de saneamento básico é a principal responsável pela morte por diarréia de menores de 5 anos no Brasil;

– em 1998, morreram 29 pessoas por dia no Brasil de doenças decorrentes de falta de água encanada, esgoto e coleta de lixo, segundo cálculos da FUNASA realizados a pedido do Jornal Folha de São Paulo;

– a eficácia dos programas federais de combate à mortalidade infantil esbarra na falta de saneamento básico;

– os índices de mortalidade infantil em geral caem 21% quando são feitos investimentos em saneamento básico;

– as doenças decorrentes da falta de saneamento básico mataram, em 1998, mais gente do que a AIDS;

– a utilização do soro caseiro, uma das principais armas para evitar a diarréia, só faz o efeito desejado se a água utilizada no preparo for limpa.

(Fonte: BNDES e pesquisa da FUNASA realizada a pedido do jornal Folha de S. Paulo, 1999/2000)

A coleta, o tratamento e a disposição ambientalmente adequada do esgoto sanitário são fundamentais para a melhoria do quadro de saúde da população do município. É importante destacar que os investimentos em saneamento têm um efeito direto na redução dos gastos públicos com serviços de saúde, segundo a Fundação Nacional de Saúde (FUNASA).

Para cada dólar investido no setor de saneamento economiza-se cinco dólares na área de medicina curativa.

CAESB – Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal

O índice de atendimento à população com atendimento na coleta de esgotos sanitários é de 93%; o índice atual de tratamento dos esgotos coletados é de 100%. São índices significativamente elevados para a realidade brasileira.

O sistema de esgotos do DF é composto por 17 sistemas de coleta e tratamento de esgotos. Alguns destes sistemas já estão em operação, permitindo avançar na recuperação da qualidade das águas do Distrito Federal.

Saneamento Básico em Brasília

Para falar mais sobre saneamento Básico, principalmente tratamento de esgotos, o Cultura Ambiental conversou com Eliane Costa, ouvidora da CAESB sobre o assunto. Escute aqui (clique em áudio).

Filmes com temática ambiental

the_age_of_stupid_banner

Hoje vamos dar algumas dicas sobre cultura na área de meio ambiente. Você vai conhecer alguns filmes com a temática ambiental.

Começamos com o filme “A era da estupidez”, que mostra o ponto em que chegou a destruição ambiental no mundo e dá um alerta para a responsabilidade de cada indivíduo em impedir a anunciada catástrofe global.

Em uma mistura de documentário e ficção, o filme é estrelado pelo ator Pete Postlethwaite, indicado ao Oscar em 1994 pelo filme “Em nome do pai”, que interpreta um velho sobrevivente no devastado mundo de 2055.

No filme, ele analisa várias cenas das tragédias ambientais que aconteceram no início do século vinte e um e se pergunta por que os seres humanos não se salvaram quando ainda tinham a chance.

A produção da diretora britânica Franny Armstrong mostra por que esse é o futuro provável da espécie, ao contar histórias reais de pessoas comuns -cujas ações cotidianas contribuem para o problema.

 “A Era da Estupidez”  tem o objetivo de debater e provocar a reflexão sobre as soluções reais necessárias para deter o aquecimento global e fortalecer as comunidades já afetadas na transformação rumo a sociedades sustentáveis.

Mais de 40 países participaram da première mundial do filme, que estreia ainda em outubro no circuito comercial. Fique de olho na programação do seu cinema preferido!

O filme mostra o ator principal examinando imagens de 2007 e se perguntando por que a humanidade não tomou providências contra a crise climática quando ainda havia tempo.

A exibição do longa-metragem está vinculada a uma grande campanha ambiental, apoiada por celebridades e organizações não-governamentais de todas as partes.

O objetivo de “A era da estupidez” é influenciar os principais líderes políticos mundiais a assinarem, em dezembro deste ano, na décima quinta Conferência da ONU sobre Mudança do Clima, a COP 15, em Copenhagen, o tratado que obriga as nações a reduzir as emissões de gases de efeito estufa, de forma que o aumento de temperatura do planeta não ultrapasse os dois graus celsius.

E aí vai uma curiosidade: com um orçamento de  450 mil libras, aproximadamente 1 milhão e duzentos mil reais, o filme é uma produção independente. Levou quatro anos para ser concluído e foi todo financiado por doações pessoais de 223 indivíduos e grupos preocupados com a mudança climática. Vale a pena conferir!

cartaz_eradaestupidez

Até “A era da estupidez”, o filme mais badalado e talvez já conhecido de muitos é “Uma verdade inconveniente” que foi produzido pelo ex-vice-presidente americano Al Gore. Lançado em 2006, “Uma Verdade Inconveniente” ajudou a colocar o problema do aquecimento global na mídia. De quebra, Al Gore ainda levou o Oscar de melhor documentário e o Nobel da Paz, junto com os cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas.

Uma outra dica de filme importante para a causa ambiental é “Erin Brockovich – Uma Mulher de Talento”. Julia Roberts interpreta uma dona-de-casa que consegue um emprego num escritório de advocacia e, sem querer, descobre que uma grande indústria contaminou a área e os moradores locais. O filme é baseado em uma história verídica e rendeu o Oscar de melhor atriz para Julia Roberts.

De vez em quando, procure fugir um pouco dos blockbusters e alugue filmes que tenham algo a ensinar e que contribuem para a causa do meio ambiente. Assim você conhece um pouco mais sobre os acontecimentos ambientais.

O cinema ambiental já desempenha papel importante como incentivador do debate sobre responsabilidade, ética e papel do estado e da sociedade em temas como transgênicos, desarmamento, consumismo, patentes e na causa ambiental.

Essas foram as dicas que o Cultura Ambiental trouxe para você! Até a semana que vem!